‘Há uma contínua transformação e elaboração da moral não ocasionada pelos crimes com desfecho feliz (entre os quais estão, por exemplo, todas as inovações do pensamento moral).’ Friedrich Nietzsche

Ao caminhar pela cidade me deparei com um novo edifício, um edifício bem localizado, logo ali da igreja matriz. Por ali transitavam as mesmas pessoas que sempre pareciam transitar em regiões centrais como políticos, empresários, técnicos, estudantes, bêbados. Contudo a edificação possuía uma forma não das mais contundentes, parecia presa em uma reticular padrão, como se algo indomável estivesse organicamente preso em uma jaula, a uma malha. Talvez para assim amenizar sua forma, tornando o edifício mais tragável.

O edifício possuía uma altura considerável e a cada momento que me aproximava obtinha uma nova informação das suas partes sobrepostas, do seu jogo contínuo de camadas. Muitas vezes seu interior era protegido por até quinze camadas distintas, provocando sensações contraditórias. Em seus arredores as pessoas se aglomeravam, porém entravam desconfiadas na edificação, talvez querendo esconder algo que provavelmente já era muito público.

Contudo aquela edificação que parecia funcionar na normalidade, recebia uma grande quantidade de usuários desprovidos da moral vigente. Por algo inexplicável o edifício fomentou as atitudes mais imorais em suas entranhas. Tais atitudes já estavam parecendo de tal normalidade na cidade que não muitos a reconheciam. Entretanto a cada instante que uma atitude imoral tornava-se publicamente moral, devido à prática exacerbada dentro da edificação, outra atitude tomava seu local na imoralidade.

Com o passar dos anos as atitudes imorais começaram a se concentrar somente no edifício. Como algo inevitável a cidade passou a distinguir claramente os dois opostos da moralidade e a repensá-la baseada em padrões contemporâneos.
Após 50 anos o edifício ainda está colado à igreja matriz, não só com as funções que ele havia gerado, mas como também as novas funções imorais da sociedade, concentradas somente em um ponto urbano, como um zoneamento modernista não funcional.

‘There is a continuing transformation and development of morality – caused by the crimes with successful outcome (among which are, for example, all the innovations of moral thinking).’ Friedrich Nietzsche

Walking through the city I saw a new building, a building well located, close to the city cathedral. There was transiting the same people who always seemed to transit downtown as politicians, businessmen, technicians, students, drunks … But the building had a remarkable shape, like it was stuck in a grid, as if something was in a prison cage. Maybe to soften the building shape, making the building more acceptable.

The building had a considerable height, and each time I approached, I obtained new information from the overlapping parts, the continuous layer game. Sometimes the interior was protected by fifteen distinct layers, with provoked contradictory feelings. Was a crowd in the building surroundings, but the people entered suspicious in the building, perhaps trying to hide something that probably was very public.

However it appeared that the construction work in a normal way, it got a lot of immoral users. For some inexplicable reason, the building fostered the most immoral attitudes. But such attitudes were looking normality in this city, that no one recognized it as immoral. However every time that an immoral attitude becomes public morale, exacerbated by the practice in the building, another attitude took its place in the immorality.

Over the years the immoral attitudes began to focus only on the building. Something inevitable, the city began to distinguish clearly the two opposites of morality and rethink it based on contemporary standards.

After 50 years the building is still close to the cathedral, not only with the functions that it had created, but also with new functions of the immoral society, focused only on one point, like a non-functional modernist.

status: projeto
equipe: Gustavo Utrabo e Juliano Monteiro
localização: Curitiba PR, Brasil
ano do projeto: 2009

Anúncios