Passagens

Da transposição das fluídas artérias automobilísticas do Eixo Rodoviário surge a possibilidade de um segundo local de alto fluxo, uma concessão funcional submersa no plano piloto. Ao contrário do vasto horizonte da superfície, sua escala é reduzida, uma possibilidade de aproximação singular na capital federal.

O espaço limitado, associado inicialmente à insegurança, oferece, por outro lado, oportunidades para explorações poéticas diferenciadas. Vazios são inseridos para trazer ventilação e luz natural em um gradiente de sombras que atenua o efeito de ofuscamento. Cria-se uma atmosfera, onde elementos metálicos refletem o “oculto” da quina e a luz da superfície e cuja distribuição transborda os limites do meramente funcional para criar uma nova possibilidade sensorial. Como fragmentos de um mosaico de Athos Bulcão, as placas refletivas distinguem-se em padrões de texturas com gramaturas variadas em uma escala familiar ao percurso da população Brasiliense.

Acessos

Se abaixo da cota das vias, ocorre uma inversão de escala e certa liberdade de proposição espacial, na superfície há que se respeitar a paisagem planejada, a qual não demanda a criação de novas alegorias dissonantes. Propõe-se, então, como referência visual, o elevador, instrumento que marca o deslocamento vertical, a transposição dos níveis e indica pontualmente a conexão do sobre com o sob. A marcação clara e configuração ampla, contando, quando possível, com rampas e plataformas, incentivam o uso de pedestres e ciclistas colaborando na redução de acidentes no Eixo Rodoviário.

Largo

Surge, então, um terceiro espaço, nem comprimido como as passagens subterrâneas, nem aberto como a planície da capital. Mais precisamente nos declives entre as vias. Ali, o espaço não delimita-se mais pela imagética de Brasília, ou pelas grossas paredes dos túneis, mas a partir de sua própria necessidade de escala calcada no comércio de pequeno porte. Uma escala de dilatação (largo) em relação às passagens estreitas, e de proteção frente à imensidão das vias. Suas unidades são construídas modularmente conforme o tamanho padrão das peças metálicas, possibilitando um crescimento proporcional da escala intermediária.  Em pontos específicos estão localizadas bacias de contenção, para os períodos de chuvas, cobertas com vegetação específica, as quais colaboram para manutenção da umidade do ar no cerrado. Tem-se, assim, espécie de assentamento inicial, cuja dimensão concentra o grande fluxo de  passantes, favorecendo o comércio e o encontro.

Molduras Vegetais das Superquadras

A escolha de árvores específicas, o desenho dos acessos com marcação vertical estritamente necessária, bem como o respeito à cota limite das vias, tem por objetivo interferir o mínimo na faixa vegetal que circunda e identifica as Superquadras, assim como as características típicas da paisagem urbana rodoviária previstas no plano piloto.

Conclusão

A distinção ritmada entre espaços de diferentes escalas estrutura os vazios e assegura uma marcação urbana singela no contexto proposto por Lucio Costa, surgindo como modelo possível para as 16 intervenções de características semelhantes.

Crossings

From the passages under the fluid transportation arteries of the Eixo Rodoviário, arises the possibility for a second place of high flow, a functional concession submerged in the master plan. Unlike the vast horizon above the surface, its scale is reduced, revealing the possibility for a unique approach in the federal capital.

The limited space, initially associated with insecurity, offers in other hand, the opportunities for differentiated poetic investigations. Gaps are inserted to bring natural light and ventilation in a gradient of shadows that mitigates the effect of glare. An atmosphere is created, where metallic elements reflect the “hidden” part behind the corner and the surface light, and whose distribution overflows the bounds of the merely functional to create a new sensory possibility. As fragments of a mosaic from Athos Butão, the reflective plates differ in patterns of varied textures in a scale familiar to the pathway of the local population.

Access

If below the track’s surface, there is an inversion of scale and a certain freedom for space proposition, above them, the planned landscape must be respected, which does not require the creation of new discordant allegories. It is proposed, then, as a visual reference, the elevator, an instrument that marks the vertical displacement, the transposition of levels and punctuates the connection of the above with the below. The clarity of the proposal and the broad configuration, utilizing ramps and platforms when possible, encourage the use by pedestrians and cyclists collaborating in the reduction of accidents along the main road axis.

Largo

A third space then arises, neither compressed as the underpasses, nor open as the capital’s plains. More precisely: the slopes among the tracks. There, the space is not defined anymore by the imagery of Brasilia, or by the thick walls of the tunnels, but from its own need for a scale grounded in small trade; a scale of expansion (Largo) in relation to the narrow passages, and of protection against the magnitude of the highways. Its units are built modularly following the standard size of metal parts, allowing for a proportional increase of the intermediate scale. Located at specific points, are drainage elements for the periods of rain, covered with vegetation which cooperate to maintain the humidity in the cerrado’s air. It is, therefore, a kind of initial settlement, whose size concentrates the large flow of pedestrians, encouraging trade and meeting.

Vegetation Frames around the Superblocks

The choice of specific trees, the design of accesses only with the strictly necessary vertical marks, as well as the respect to the level limit of highway, aims to interfere as little as possible at the vegetation track that surrounds and identifies the Superblocks, as well as the characteristics of the urban landscape planned in the original master plan.

Conclusion

The rhythmic distinction between spaces of different scale structures the gaps and ensures a simple urban markup in the context proposed by Lúcio Costa, emerging as a possible model for the 16 interventions of similar characteristics.


status: concurso | Menção Honrosa

Autores: Gustavo Utrabo, Juliano Monteiro, Pedro Duschenes.

Colaboradores: Mathilde Poupart, Lucille Daunay, Lucas Issey Kodama, Arq. Ernesto Bueno e Sabine Meister.

consultor: Eng. Ricardo Dias (estrutural)

localização: Brasília – Brasil
ano do projeto:2012