Não se estabeleceu uma massa homogênea focada em um só objetivo ou direção, mas a formação de diversas constelações de relacionamentos espontâneos e inesperados influenciadas por questões de proximidade e catalisados pela proposta de atividades de participação geral do Coworking.

O projeto surge como conseqüência natural do questionamento da funcionalidade de um espaço Coworking. Indivíduos com atividades/interesses diversos sentados lado à lado criam a possibilidade de interações diferentes daquelas esperadas em uma empresa onde as mesmas profissões ocupam os mesmos espaços físicos .

Fisicamente, o espaço que um Coworking necessitaria como tipologia de escritório estritamente funcional seria um galpão com  espaço suficiente para mesas de trabalho. Essa configuração tem alguns lados positivos : a noção de unidade do espaço, a sensação de igualdade entre os usuários, facilidade de comunicação entre outros. Por outro lado a monotoneidade e falta de diferenciação criam uma atmosfera psicologicamente desagradável e pouco estimulante.

Tentamos trabalhar de modo a não perder uma sensação de unidade, possível pelas dimensões locais, e ao mesmo tempo criar situações de especificidade espacial. Essas especificidades, no entanto, não se fecham em si mesmas, são flexíveis e interligadas cadencialmente. A variação/movimento de um elemento, seja ele de iluminação, fechamento ou trabalho em determinada área, influencia outro elemento em distinta área, que por sua vez influencia outro elemento em outra área sucessivamente. Dessa forma a continuidade não é simplesmente unitária mas cadenciada por diferentes intenções de uso em determinados momentos.

Como um dos exemplos dessas interseções e modificações espaciais estudadas no projeto pode-se citar a estante paramétrica de fabricação digital que se conforma a variadas funções e interliga dois espaços de trabalho onde mesas rapidamente montáveis/desmontáveis configuram diferentes relações interpessoais, enquanto os limites da área destinada à reuniões pode desaparecer com o puxar de uma cortina revelando uma nova dimensão para este mesmo espaço onde se encontram as estações de trabalho e parte da estante.

There should be no homogeneous direction or objective, but the formation of different constellations of spontaneous and unexpected relationships influenced by proximity questions and catalyzed by the common activities and lectures offered afterhours.

The concept for the design comes as a natural consequence of thinking how a CoWorking space works. Individuals with different activities and interests sitting side by side create the possibility for interactions other than those expected at standard “one-profession-only” spaces.

Physically, the space that would be necessary for the  CoWorking to function as a simple working place would be a warehouse with sufficient space for work desks. On one side this configuration has positive aspects: the notion of spatial unity, the feeling of equality between workers, ease of communication etc. On the other side, the sameness and the lack of differentiation can create a negative and unexciting atmosphere.

We tried to preserve the sensation of unity and keep as much of the original walls and infrastructure possible, while still creating situations of spatial specificity. These specificities are not closed in themselves, they are flexible and connected cadencially. The variation/movement of an element in a certain place, be it lighting, surface or layout, affects connected spaces as links in a chain. In this manner continuity is not total but arranged by different uses during the day.

This is represented in the design by the digitally fabricated parametric bookshelf that adapts itself to singular uses and connects the workspaces where dismountable tables configure different interpersonal relations, while the limits of the reunions area can disappear by simply moving curtains revealing a new dimension to the existing space.

status: construído
equipe: Gustavo Utrabo, Juliano Monteiro, Pedro Duschenes, Ernesto Bueno, Lucas Issey  e Mariana Bittencourt
localização: Curitiba PR, Brasil
cliente: Aldeia Coworking
área construída: 140 m2
ano do projeto: 2010
ano de construção: 2010