A filosofia, a arte, a fotografia, a literatura, a própria arquitetura, integram uma busca constante por elementos distintos que intensificam a reflexão crítica baseada no entendimento da realidade, a capacidade para gerar alternativas, e a pertinência de um desejo para determinado local/tempo/cultura.

Não existe conformação a priori, mas perversão. O projeto é entendido como um processo onde  forças dissonantes são nutridas e forçadas a colidir determinando novos caminhos oblíquos os quais são, por sua vez, questionados e atacados, tornando-se a cada ciclo mais consistentes, até o momento em que passam a confluir para uma mesma direção, consonante com o conceito-desejo inicialmente (re)imaginado.

Philosophy, Art, Literature, and Architecture itself, take part in a constant pursuit for distinct elements that intensify the critical reflection based on the understanding of reality, the capability to generate alternatives, and the pertinence of a certain desire to a specific place/time/culture.

 There is no conformation a priori, instead, there is perversion. The design is understood as a process where dissonant forces are nourished and forced to collide, settling down new oblique ways which, therefore, are attacked and questioned, becoming after each cycle more consistent, until the moment when they begin to converge towards a common direction, consonant with the initially (re)imagined concept-desire